novo

A biodiversidade da Terra está mudando à medida que o planeta aquece. Mas como?


Um ecologista da Universidade de Bufalo, EUA, está desenvolvendo uma nova ferramenta de mapeamento que poderia nos ajudar a entender como o aquecimento global afetará as populações de plantas e animais

os mapas mostram a distribuição de florestas tropicais de montanha, usando dados de cobertura de satélites. Os satélites que observam a Terra fornecem muitos tipos de dados sobre os ecossistemas do planeta, e o Mapa da Vida começará a incorporar esses dados para melhorar o conhecimento geográfico de onde as espécies vivem. Crédito: Adam Wilson e Walter Jetz, PLOS Biology, 2016.

À medida que o clima da Terra muda, os padrões de mudança de clima afetarão onde plantas e animais podem viver.

Algumas espécies – como ursos polares, sapos e até zangões – podem ver a redução de seus habitats. Outros podem ser forçados a se mudar para novos ambientes.

Para nos ajudar a entender as mudanças maciças em curso, na Universidade de Buffalo, o ecologista Adam Wilson, está ajudando a desenvolver uma nova ferramenta para visualizar como as populações de plantas e animais em todo o mundo estão respondendo às mudanças climáticas.

Wilson, PhD, professor assistente de geografia na UB College of Arts and Sciences, está trabalhando com o Map of Life(Mapa da Vida), um recurso on-line liderado pela Universidade de Yale e pela Universidade da Flórida. Atualmente, a plataforma permite que todos, desde os alunos até os pesquisadores, vejam onde diferentes espécies estão localizadas no mundo – onde plantas e animais foram observados em todos os continentes e em que medida seus habitats se estendem.

A equipe Map of Life quer expandir o sistema para incluir dados ambientais e climáticos, para que os usuários possam visualizar e analisar os links entre clima e mudança de habitat no nível de espécies individuais.

Wilson está desenvolvendo modelos que permitirão ao time do Map of Life integrar as observações meteorológicas, como a precipitação, temperatura e padrões de cobertura de nuvem na plataforma, tornando esses dados mapeáveis e pesquisáveis.

É um desafio porque as observações climáticas têm o que os pesquisadores chamam de diferentes resoluções espaciais e temporais: a temperatura do ar pode ser registrada por hora, mas monitorada apenas em áreas povoadas, enquanto a nebulosidade pode ser registrada duas vezes por dia, mas monitorada em todo o mundo, inclusive em regiões onde poucos humanos vivem . Fundir esta diversidade de dados em um sistema que o Mapa da Vida pode entender é complicado.

Mas quando estiver pronto, os cientistas terão uma nova ferramenta para entender como a mudança climática está afetando a biodiversidade.

No momento, o Mapa da Vida pode nos dizer onde estão plantas e animais, mas não por que eles estão lá”, diz Wilson. “O que queremos fazer é ampliar o Mapa da Vida para explicar esses padrões, para que possamos ver como o clima está influenciando onde diferentes espécies são encontradas”.

Por Charlotte Hsu*,University at Buffalo

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

Publicado pelo EcoDebate , ISSN 2446-9394, 04/10/2017.