novo

Aquecimento Global e Saúde Pública: Estudo estima vidas salvas com uma meta climática de 1,5°C


Foto: EBC

Acelerar o progresso na redução das emissões de carbono salvaria milhões de vidas, principalmente nas áreas metropolitanas da África e da Ásia.

Para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus Celsius, o mundo precisaria cortar a maioria das emissões de carbono relacionadas a combustíveis fósseis neste século – e porque isso também reduziria a poluição do ar localmente, evitaria 150 milhões de mortes prematuras, de acordo com um artigo publicado na Nature Climate Change.

Os pesquisadores descobriram que a redução das emissões esperadas de dióxido de carbono deste século em 180 gigatoneladas – a quantidade necessária para atingir a meta de 1,5 grau, ou manter o aquecimento global a 2 graus sem emissões negativas – significaria mudar para um sistema de energia amplamente renovável.

Essa mudança, mais cedo ou mais tarde, pouparia cerca de 90 milhões de vidas até 2100, devido à exposição reduzida a partículas finas, segundo o estudo. Outros 60 milhões de mortes poderiam ser evitados por causa da redução dos níveis de ozônio.

Os benefícios para a saúde pública das políticas de baixíssimo carbono são enormes”, diz Drew Shindell, pesquisador do clima da Duke University, na Carolina do Norte, Estados Unidos, e co-autor do artigo.

No ano passado, houve o primeiro aumento nas emissões globais de CO2 em quatro anos, o que coloca pressão adicional sobre os governos para cumprir suas metas de redução de emissões. Embora os países industrializados continuem sendo, de longe, os maiores emissores, os pesquisadores destacam que os países em desenvolvimento evitam deslizar pelo caminho dos combustíveis fósseis.

Os países em desenvolvimento estão em grande parte no controle de seu próprio destino quando se trata de poluição do ar”, diz Shindell. “Eles teriam que fazer grandes mudanças para desativar os combustíveis fósseis, mas colheriam enormes benefícios localmente pela qualidade do ar se o fizessem.”

Como os níveis de poluição já estão altos, a Indonésia, a China e a Nigéria provavelmente se beneficiarão mais da aceleração das reduções de emissões. Grandes centros urbanos, como o Cairo, no Egito, também veriam melhorias significativas nas taxas de mortalidade por poluição, segundo os pesquisadores.

A primeira meta para as metas globais de redução de emissões, conforme definido pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, é 2030 – quando muitos países pretendem ter uma capacidade significativa de energia renovável.

Mas com o financiamento aquém das expectativas, as reduções nas emissões resultantes – e a queda nas mortes causadas pela poluição – podem não acontecer, diz Neill Bird, pesquisador sênior do Overseas Development Institute, com sede no Reino Unido. “A falta de investimento pode resultar em países que se aproximam de um negócio como de costume”, diz ele.

Muitos países em desenvolvimento acham difícil financiar projetos de energia renovável. Um estudo separado adverte que os países do Global Green Growth Institute, um clube de nações com metas voluntárias de energia renovável, precisam de pelo menos US $ 260 bilhões em investimentos adicionais para atingir suas metas.

Referência:

Quantified, localized health benefits of accelerated carbon dioxide emissions reductions https://www.nature.com/articles/s41558-018-0108-y

Por Inga Vesper,SciDev.Net*

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

Fonte: EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/05/2018.