novo

As perdas econômicas causadas pela seca na China podem dobrar, com o aquecimento global


As perdas econômicas causadas pela seca na China podem dobrar, se a temperatura global subir 1,5°C para 2,0°C acima dos níveis pré-industriais, com o aumento da intensidade da seca e da expansão de áreas áridas na China. E o que indica um novo estudo de avaliação econômica realizado por cientistas chineses.

O estudo, baseado em 30 anos de estatísticas de perda de 31 províncias e cidades ,desde 1986, identifica a intensidade, área e duração dos eventos de seca na China, e avalia as vias socioeconômicas futuras e as relacionadas com a capacidade de adaptação.

Nos últimos anos, houve um aumento significativo nas perdas por seca em todo o mundo. Cerca de 20% das perdas econômicas diretas da China por desastres climáticos são causados pela seca.

A área de cultivo afetada pela seca tem média de 2.090.000 km2 por ano para o período de 1949 a 2017, equivalente a 1/6 do total das terras aráveis. As perdas econômicas diretas anuais atingem mais de sete bilhões de dólares dos EUA entre 1984 e 2017, de acordo com o nível de preços de 2015.

Em seu estudo, cientistas projetaram perdas por seca na China, sob aumento de temperatura global de 1,5°C e 2,0°C. O produto interno bruto regional sob várias vias socioeconômicas compartilhadas mostrou resultados diferentes, mas todos apontando para um mesmo fato.

A perda estimada em um caminho de desenvolvimento sustentável no nível de aquecimento de 1,5°C aumenta dez vezes em comparação com o período de referência 1986-2005 e quase três vezes, em relação ao intervalo 2006-2015”, disse o primeiro autor Prof. SU Buda, pesquisador do Instituto Xinjiang de Ecologia e Geografia (XIEG) da Academia Chinesa de Ciências.

Estima-se que a perda média anual de seca para o nível de aquecimento de 2,0°C em uma via de desenvolvimento orientada para o crescimento, seja aproximadamente duas vezes maior do que no aquecimento de 1,5°C, de acordo com o estudo.

O Acordo de Paris propõe manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2,0°C acima dos níveis pré-industriais, e buscar esforços para limitar o aquecimento a 1,5°C, a fim de reduzir o risco e os impactos do aquecimento do clima.

Manter o aumento da temperatura média global abaixo ou igual a 1,5°C acima do nível pré-industrial pode reduzir as perdas anuais com a seca em várias dezenas de bilhões de dólares”, disse o professor JIANG Tong, autor correspondente do estudo do Centro Nacional do Clima. da Administração Meteorológica da China.

A quota de perda de seca do PIB nacional da China diminuiu de 0,23% em 1986-2005 para 0,16% em 2006-2015 devido ao rápido aumento do PIB nacional. No entanto, a tendência foi projetada para reverter no futuro, com a parcela de perda aumentando gradualmente sob o cenário de aquecimento, mesmo tendo em conta a capacidade de adaptação melhorada, de acordo com o estudo.

Mais esforços em mitigação são necessários, para que o limite de aquecimento de 1,5°C não seja excedido”, disse o Dr. SU.

O estudo foi concluído em conjunto por pesquisadores de instituições como XIEG, Centro Nacional de Clima da Administração Meteorológica da China, Instituto de Agricultura e Meio Ambiente da Academia Polonesa de Ciências, Universidade de Ciência e Tecnologia da Informação de Nanjing, Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong e Universitaet Tuebingen. Na Alemanha.

Os resultados do estudo foram publicados nos Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América (PNAS), intitulado “Drought losses in China might double between the 1.5°C and 2.0°C warming”.

Referência:

Buda Su el al., Drought losses in China might double between the 1.5 °C and 2.0 °C warming, PNAS (2018)
www.pnas.org/cgi/doi/10.1073/pnas.1802129115

Fonte:Chinese Academy of Sciences. Publicado pelo EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/10/2018