novo

Novo estudo avalia aumento do nível do mar nos últimos 25 anos


Nos últimos 50 anos, mais de 90% do excesso de calor acumulado no sistema climático devido às emissões de gases de efeito estufa foram armazenados no oceano. O resto tem aquecido a atmosfera e os continentes, e derretendo o gelo do mar e da terra.

O aumento do nível do mar é uma das consequências mais graves da mudança climática decorrente das atividades humanas, com potenciais impactos importantes nas sociedades costeiras. Determinar a magnitude e a importância de cada componente é crucial, embora alguns sejam mais conhecidos e mais fáceis de calcular do que outros.

A comunidade internacional, através do Grande Desafio do Nível Regional do Mar e Impactos Costeiros do Programa Mundial de Pesquisa Climática, publicou recentemente um extenso estudo avaliando os vários conjuntos de dados usados para estimar componentes do aumento do nível do mar desde o início da era altimétrica em 1993. Esses conjuntos de dados baseiam-se na combinação de uma ampla gama de observações espaciais e in situ, estimativas de modelos e algoritmos.

A elevação média do nível do mar global baseada em altimetria tem uma média de 3,1 (± 0,3 mm) por ano, com uma aceleração de 0,1 mm por ano ao longo do período de 25 anos, de acordo com o estudo. Também comparou o nível médio global observado do mar com a soma dos componentes. A expansão térmica oceânica, as geleiras, a Groenlândia e a Antártida contribuem com 42%, 21%, 15% e 8% para o nível médio global do mar no período de 1993-atual. A incerteza substancial permanece para o componente de armazenamento de água da terra, disse.

O estudo envolveu cientistas de todo o mundo.

O aumento do nível do mar é um dos sete indicadores climáticos globais que descrevem as mudanças climáticas. Os outros são a temperatura, o calor dos oceanos, os gases com efeito de estufa, a acidez dos oceanos, os glaciares e o gelo marinho.

Referência:

Global sea-level budget 1993–present Earth Syst. Sci. Data, 10, 1551–1590, 2018
https://doi.org/10.5194/essd-10-1551-2018

O estudo está disponível aqui
https://www.earth-syst-sci-data.net/10/1551/2018/essd-10-1551-2018.pdf

Fonte: World Meteorological Organization

Publicado pelo EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/09/2018.