novo

Aumento da temperatura global se aproxima de 1,5º Celsius, artigo de José Eustáquio Diniz Alves


O ano de 2016 foi o mais quente já registrado. Pior, os três últimos anos foram os mais quentes desde o início da série de medição iniciada em 1880, com uma temperatura média 0,94º C acima da média do século XXI, em 2016, 0,90º C em 2015 e 0,74º C, em 2014. O clima fez um hat-trick.

Dos 17 anos mais quentes já registrados, 16 estão no século XXI. E o pior é que os dois primeiros meses de 2017 indicam que a temperatura do ano vai continuar alta, provavelmente menor do que 2016, mas mais elevada do que a de 2014 e talvez 2015. Tanto as temperaturas de janeiro (0,89º C) e fevereiro (0,98º C) de 2017 foram as segundas mais altas da série histórica para os respectivos meses, desde 1880. Parece que o calor veio para ficar.

Estas medições são importantes, especialmente porque os acordos internacionais falam em limitar o aquecimento global, no melhor cenário, a 1,5º C em relação ao período pré-industrial, ou seja, em relação ao período anterior ao início da utilização generalizada dos combustíveis fósseis.

Para se ter uma linha base mais próxima do período pré-industrial, a maioria dos cientistas que estudam o aquecimento global compara as temperaturas de hoje com as do final do século XIX. Mas um novo estudo mostra que o aquecimento já tinha se iniciado em meados do século XIX e registra o quanto o mundo já está perto de romper as metas de aquecimento do Acordo de Paris.

Em estudo, detalhado, em janeiro de 2017, no boletim do jornal da American Meteorological Society, os autores sugeriram o uso de 1720-1800 como um período pré-industrial, porque é antes de as atividades industriais de gases de efeito estufa começarem a aumentar a concentração de CO2 na atmosfera. Foi também o período que se seguiu à chamada “Pequena Idade do Gelo”, impulsionado por erupções vulcânicas e atividade solar.

Hawkins e co-autores calcularam as diversas linhas de base da quantidade de aquecimento global desde o século XVIII e mostraram que o uso da linha de base do final do século XIX captura a maior parte do aquecimento causado pelas atividades humanas.

Os resultados do aquecimento, com a linha de base de 1850-1900, estão representados no gráfico acima, que mostra que o limite de 1,5º C está próximo de ser ultrapassado. Uma primeira versão deste gráfico em espiral fez grande sucesso no ano passado e foi apresentado para o mundo todo na abertura dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Maiores detalhes podem ser obtidos no artigo Thompson (2017)

O aquecimento global é uma realidade cada vez mais incômoda e impactante. Assim, mesmo depois de três anos de aumento sem precedentes da temperatura (2014, 2015 e 2016) o mês de fevereiro bateu recorde de temperatura nos Estados Unidos, como mostra Hirji (2017).

Fevereiro de 2017 foi o segundo mais quente no registro de 123 anos para os Estados Unidos. Isto está antecipando a primavera e trazendo diversos desafios para a adaptação da flora e da fauna. O aquecimento global deve continuar afetando a vida no Planeta, não só no futuro como também no presente, como o calor extremo na Austrália, nos Estados Unidos, como as fortes chuvas em Louisiana e outros eventos climáticos extremos nos últimos anos.

Relatório da Organização Meteorológica Mundial (WMO), publicado dia 21 de março, mostra que o ano de 2017 mantém a mesma tendência do aquecimento global de 2016 (com o nível um pouquinho mais baixo) e, segundo os cientistas da instituição: “Estamos vendo mudanças profundas ao redor do planeta que estão desafiando os limites de nosso entendimento sobre o sistema climático. Estamos de fato em um território desconhecido”.

Por exemplo, no primeiro trimestre de 2017, o Ártico registrou três ondas de calor, com poderosas tempestades vindas do Atlântico. A calota de gelo do Ártico normalmente cresce durante os meses de inverno e geralmente atinge seu máximo no início de março. Segundo o Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo (NSIDC), da Nasa, no dia 7 de março de 2017, o gelo do mar do Ártico alcançou sua extensão máxima para o ano, em 14,42 milhões de quilômetros quadrados, o menor registrado por satélite em 38 anos. A extensão máxima deste ano foi de 1,22 milhão de quilômetros quadrados abaixo do máximo médio de 1981 a 2010 de 15,64 milhões de quilômetros quadrados. Ou seja, a perda de gelo foi maior do que a área da região Sudeste do Brasil (de 924.511 km2).

Abaixo do Equador, as temperaturas do ar na Antártica durante o outono e inverno foram acima da média, embora menos do que no Ártico. As temperaturas da Antártica no primeiro trimestre de 2017 foram de 1 a 2,5 graus Celsius acima da média de 1981 a 2010. Como consequência, a área mínima de gelo do ano foi atingido em 3 de março de 2017, com 2,11 milhões de quilômetros quadrados, a menor já registrada por satélites. A extensão mínima de gelo da Antártida foi de 2,33 milhões de quilômetros quadrados, enquanto o mínimo médio de 1981 a 2010 foi de 2,85 milhões de quilômetros quadrados. A quantidade mínima de gelo da Antártica foi pouco maior do que a soma das áreas das regiões Sul (576.774 km2) e Nordeste (1.558.000 km2) do Brasil. O gráfico abaixo mostra como a concentração de gelo global (Ártico + Antártica) tem diminuído e batido todos os recordes desde outubro de 2016, prosseguindo até o mês de março de 2017.

Portanto, o mundo está ficando mais incerto e mais perigoso. Como disse a WMO os humanos estão entrando em um “território desconhecido”. Enquanto o aumento da temperatura acelera o degelo global e eleva o nível dos oceanos, cerca de 2 bilhões de pessoas que vivem em áreas de até 2 metros do nível do mar passam a ser altamente vulneráveis com o avanço das marés. Além disto, os eventos extremos ameaçam grandes contingentes populacionais. Toda a vida no Planeta será afetada.

O impacto social do aquecimento global não vai ser sentido apenas no futuro. As gerações atuais, especialmente, os jovens, vão viver grandes desafios climáticos na atualidade e nas próximas décadas.

Referência:

Andrea Thompson. How Close Is 1.5°C? Depends When You Measure From. Climate Central, January 25th, 2017

Zahra Hirji. February’s Unusual Heat Has Climate Change Link, Scientists Find, Inside Climate News, 08/03/2017

DemandClimateJustice Staff. The World at 1°C—February 2017, DemandClimateJustice, 08/03/2017

WMO. Climate breaks multiple records in 2016, with global impacts. 21 March 2017

ArctischePinguin https://sites.google.com/site/arctischepinguin/home/global-sea-ice

NSIDC – National Snow & Ice Data Center: https://nsidc.org/data/seaice_index/

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: [email protected]

Publicado pelo EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/03/2017.