novo

O espetáculo infantil “Contos do Mar” desembarca no Teatro Dulcina, trazendo o universo fantástico das fábulas e dos contos antigos


O Teatro Dulcina recebe, de 7 de abril a 27 de maio, sábados e domingos, às 16h, a estreia, no Rio de Janeiro, do espetáculo infantil “Contos do Mar”, com ingressos até 20 reais

Dois atores-narradores apaixonados por contar histórias, um cenário inflável, iluminação digna de conto de fadas… assim podemos começar a contar um pouco o que cabem nesses “Contos do Mar”

Contos do Mar – foto web – Pedro Sá Earp.jpg.

O universo fantástico das fábulas e dos contos antigos inspirou a construção de uma grande narrativa, utilizando contos de diversos países: Japão, Itália, Brasil e Hungria. Todos eles apresentam personagens que possuem uma relação direta com o mar: uma princesa que tem como seu bem mais precioso um incrível aquário e neste um animal misterioso que a levará a viver uma grande aventura, um jovem príncipe que atravessa o mar e todos os seus perigos para tentar reestabelecer a saúde de sua mãe, a rainha. E uma personagem fantástica, a senhora das águas do mar, uma poderosa rainha que se apaixona, é cruel, acolhedora e vingativa.

O mar leva e traz, o mar adormece e acorda com seu canto de mistérios e lendas desde a sereia mais cruel até o pirata mais doce. O mesmo mar que banha o Brasil banha também as costas do Uruguai. E quando os atores da Cia Quatro Manos, a uruguaia Florencia Santángelo e o brasileiro Marcos Camelo, perceberam que tinham passado suas férias de infância mergulhados no mesmo mar, não tiveram dúvida: “vamos contar contos que aconteçam no mar!”

Contos do Mar”é um instrumento alternativo na formação cultural das crianças, pois todos os elementos cênicos tem o objetivo de estimular a imaginação e a criatividade, além de conscientizar as crianças sobre a importância da arte e da literatura no mundo atual, travando com isso um diálogo entre a magia da leitura e o ambiente cotidiano da criança hoje em dia.

O estímulo, tanto a leitura quanto à expressão teatral, são indispensáveis para a formação cultural e humana da criança. Dividir historias e estimular novos sonhos são instrumentos que devem ser considerados para proporcionar essa formação. Assim,“Contos do Mar”reascende ou ascende na criança a magia quase perdida da leitura, que hoje é um hábito esquecido buscando, através do teatro, as relações entre as fábulas literárias e a contemporaneidade.

Inédito no Rio de Janeiro, “Contos do Mar” foi apresentado em 2016 no 1º Festivaliño, Montevidéu/Uruguai e na Mostra Sesc Cariri e em 2017na Mostra Criança Fringe do Festival de Curitiba e no projeto Viagem Teatral SESI SP. Em outubro de 2018 participa do Circuito Cultural Paraná.

A Cia Quatro Manos

Formada pelos atores e palhaços Marcos Camelo (Brasil) e Florencia Santángelo (Uruguai) a pesquisa da companhia se baseia no desejo de levar ao palco os princípios da atuação do palhaço misturados a outras linguagens como a contação de histórias, o solo narrativo e o teatro físico. O jogo como ferramenta, a busca do estado pelo corpo e a resignificação do espaço pela ação.Trabalhando a partir de textos não dramáticos, tem especial interesse na construção de uma dramaturgia autoral e contemporânea. O sofisticado e o popular a serviço do vínculo e o prazer de estar junto com o espectador, e a partir dele, construir algo novo.A companhia surge em 2012 a partir da montagem da cena curta “Acorda, amor!”, vencedora do 13º Festival Galpão Cine Horto entre outros festivais do género. Em 2013, a convite da Agentz Produções “Acorda, amor!” se transforma em espetáculo, realizando temporadas e participando de festivais dentro e fora do Brasil, conquistando diversos prêmios.Atualmente a Cia se encontra em processo de pesquisa para montagem de um novo espetáculo adulto com direção de Rodrigo Portella.

O diretor Flavio Souza

Diretor teatral, figurinista, ator, palhaço, contador de histórias. Doutor em Teatro pelo Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da UNIRIO. Indicado ao Premio Shell de Teatro/RJ como Melhor Figurinista no ano de 2012 pelo espetáculo Os Mamutes de Jô Bilac, dirigido por Inez Viana com a Cia OmondÉ. Vencedor do Premio FITA/2012 como melhor figurinista pelo mesmo espetáculo e ainda com Mamutes indicado para o premio Questão de crítica de 2012.Realizou como diretor os espetáculos: O Cavalo Mágico (2006), PalhaSOS (2007), Pouco amor não é amor (2010), Espera-se (2010), Orlando! (2011) e tuttotorna (2012) e As Duas (2013) com o Teatro de Anônimo. Tuttotorna foi realizado em parceria com o grupo de artistas Italia- no Giulari del Diavollo, o espetáculo estreou em Pádova, Itália. PalhaSOS venceu o premio de melhor espetáculo no Fitum da Túnísia e em Perm na Rússia, Tuttotorna além de excursionar pela Itália par- ticipou do Festival Internacional de Circo do Recife na sua edição de 2012. Fez contribuições artísti- cas com a Arquitetura do Movimento da coreógrafa Andrea Jabor, com os Giullari del Diavolo, Ana Achcar e com o Projeto Enfermaria do Riso/UNIRIO.Como figurinista seus trabalhos mais recentes são: “Infancia, tiros e plumas” de Jô Bilac para a Cia OmondÉ com direção de Inez viana, “Contra o vento” de Daniela Pereira de Carvalho com direção de Filipe Vidal, “A rainha e o lugar” coreografia de Andrea Jabor, “Neurótica” com Flavia Reis direção de Marcio Trigo. “Na republica da felicidade” de Martin Crimp, direção de Felipe Vidal, “Nem mesmo todo o oceano” de Alcione Araújo com direção de Inez Viana, “Maravilhoso” de Diego Liberano com direção de Inez Viana, “Aos Domingos” de Julia Spadaccini com direção de Bruce Gomlewsky, “De- pois da Queda” de Arthur Miller com direção de Filipe Vidal, “Quebra-ossos” de Julia Spadaccini com direção de Alexandre Mello, “As conchambranças de Quaderna” de Ariano Sussuna com a direção de Inez Viana (sendo indicado ao prêmio APTR/2010 como melhor figurinista por esse espetáculo), Savana Glacial, de Jô Bilac, com direção de Renato Carrera. Assinou os figurinos de Cartas em Cena de Adriana Maia, Mangiare de Fabiana de Mello e Souza com o grupo Pedras, Festa de Família de Bruce Gomlevski.

Ficha Técnica

Atuação: Florencia Santángelo e Marcos Camelo

Direção: Flavio Souza

Dramaturgia: Flavio Souza e Marcos Camelo

Cenário e Figurinos: Flavio Souza

Iluminação: Paulo Denizot

Direção Musical: Isadora Medella

Assessoria de Imprensa: Ney Motta

Design Gráfco: Raquel Alvarenga

Produção Executiva: Florencia Santángelo

Assistente de Produção: Thamires Trianom

Produção e realização: Cia Quatro Manos e Cambaxirra Filmes

Serviço

Local: Teatro Dulcina. Rua Alcindo Guanabara, 17, Centro, Rio de Janeiro

(próximo ao VLT e Metrô Cinelândia)

Temporada: 7 de abril a 27 de maio, sábados e domingos, às 16h

Ingresso: R$ 20,00 (com meia entrada para os casos previstos em lei)

Vendas na bilheteria de quarta a domingo das 14h às 19:30h

Classificação indicativa: recomendado para crianças a partir de 4 anos

Duração: 55 minutos

Atendimento à Imprensa

Ney Motta| contemporânea comunicação – assessoria de imprensa
[email protected] Tel. (21) 98718-1965

Fonte: Ney Motta, em 27/03/2018.