novo

ONU anuncia o lançamento do primeiro padrão global para medir perda e desperdício de alimentos


Frutas jogadas no lixo no Brasil. Foto: Flickr/Núcleo Editorial/Katia Mello (CC).

Frutas jogadas no lixo no Brasil. Foto: Flickr/Núcleo Editorial/Katia Mello (CC).

Segundo as Nações Unidas, cerca de um terço de todos os alimentos é perdido ou desperdiçado em todo o mundo, em processos que envolvem desde a produção da comida até o seu consumo, ao mesmo tempo em que 800 milhões de pessoas encontram-se subnutridas. Além disso, desperdício é responsável por 8% das emissões de gases que causam o efeito estufa.

A ONU, em parceria com parceiros internacionais, anunciou no início de junho (7) o lançamento do primeiro padrão global para medir o problema do desperdício e da perda de alimentos no mundo. A prática gera, anualmente, um custo global de 940 bilhões de dólares.

  • O padrão consiste em um conjunto abrangente de definições e requisitos de comunicação para que empresas, países e outros consigam medir, relatar e gerenciar de forma consistente e confiável a perda e o desperdício de alimentos.

  • De acordo com o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Achim Steiner, “esse novo padrão de medição não só irá nos ajudar a entender o quanto a comida não é o que chega a nossa boca, como também vai nos ajudar a definir uma linha de base para a ação contra o problema”.

  • Segundo a ONU, cerca de um terço de todos os alimentos é perdido ou desperdiçado em todo o mundo no caminho que vai desde a produção da comida até o seu consumo, ao mesmo tempo em que 800 milhões de pessoas encontram-se subnutridas.

  • Além disso, o desperdício é responsável por 8% das emissões de gases que causam o efeito estufa. De acordo com as estimativas da Organização, se esses dados representassem um país, a nação estaria entre os três maiores poluidores, atrás somente da China e dos Estados Unidos.

  • Saiba mais sobre o novo padrão em http://flwprotocol.org

  • Parabenizando o novo padrão, Achim Steiner pediu que todos os países e empresas comecem a usá-lo para medir e relatar a perda e o desperdício de alimentos, e em paralelo tomem medidas concretas para cumprir a terceira meta do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 12, que se trata de reduzir para metade o desperdício alimentar até 2030.

  • Para Andrew Steer, presidente e CEO da World Resources Institute, “esse padrão é um verdadeiro avanço”.

  • Pela primeira vez, através do auxílio do padrão, países e empresas serão capazes de quantificar os alimentos que são perdidos e ou desperdiçados, onde esse desperdício ocorre, bem como relatar o problema de maneira altamente consistente.”

  • Agora, temos uma nova ferramenta poderosa que ajudará governos e empresas a economizar dinheiro, proteger os recursos e garantir que mais pessoas consigam o alimento que necessitam”, acrescentou.

  • O PNUMA destacou ainda que o impulso internacional para conter a perda de alimentos está crescendo com o compromisso de governos e empresas.

  • No entanto, muitos ainda não sabem quanta comida é perdida ou desperdiçada ou onde isso ocorre dentro de suas fronteiras, de suas operações ou cadeias de fornecimento. Além disso, a definição de perda e desperdício de alimentos varia muito, e sem uma contagem consistente e uma estrutura de informação, é difícil a comparação dos dados e o desenvolvimento de estratégias eficazes.

  • O novo padrão também irá ajudar a reduzir a perda de comida e o desperdício dentro do setor privado. Em 2015, o Fórum de Bons Consumidores, que representa mais de 400 dos maiores varejistas do mundo e fabricantes de 70 países, aprovou uma resolução para que seus membros reduzam o desperdício de alimentos em suas operações em 50 % até 2025, usando o padrão de medição.

Matéria enviada por Ruben Siqueira  –  Comissão Pastoral da Terra / Bahia e Coordenação Executiva Nacional
Articulação Popular São Francisco Vivo –
www.saofranciscovivo.com.br

Publicado pelo Portal EcoDebate, 12/07/2016.