novo

Quanta água desperdiçamos com a comida que jogamos fora?


A pegada hídrica espanhola associada ao desperdício de comida equivale a mais de 130 litros de água por pessoa por dia, segundo pesquisadores da UPM, depois de estudar o consumo de alimentos realizado em domicílios espanhóis durante um ano.

Pesquisadores da Universidad Politécnica de Madrid, em colaboração com o Water Observatory of the Botín Foundation, realizaram um estudo sobre hábitos alimentares e padrões de desperdício em domicílios espanhóis para avaliar o impacto sobre os recursos hídricos domésticos e identificar soluções para evitar o desperdício de água.

Os resultados indicaram que o tipo de dieta afeta mais do que o desperdício de alimentos em termos de pegada hídrica relacionada à alimentação. Assim, consumir uma dieta saudável e sustentável pode ter benefícios colaterais relevantes no ambiente em relação ao solo, energia e água.

Estima-se que haverá 9 bilhões de pessoas na Terra até 2050. Esse crescimento populacional, juntamente com sociedades cada vez mais urbanas, nos faz enfrentar um grande desafio: produzir mais alimentos para abastecer toda a população mundial com padrões de consumo em mudança. Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), precisaremos produzir entre 50 a 60% a mais de alimentos nas próximas décadas sem comprometer o meio ambiente e sob um cenário de mudanças climáticas.

Nos últimos anos, a maioria dos esforços para abordar esta questão concentrou-se em explorar alternativas para aumentar a produção global de alimentos, ou seja, aumentar a oferta. No entanto, os esforços também têm se concentrado na melhoria dos hábitos e padrões de consumo, uma vez que ficou provado que um melhor gerenciamento da demanda tem implicações positivas tanto para a saúde quanto para o meio ambiente.

Dado que a agricultura representa cerca de 70% de todos os usos do consumo de água e a competitividade de tais recursos leva a um aumento dos problemas de escassez em muitas partes do mundo, a água tornou-se um fator limitante na produção agrícola.

O Centro de Pesquisa em Gestão de Riscos Agrícolas e Ambientais ( CEIGRAM ), um centro de pesquisa conjunta da Universidade Politécnica de Madri, a Agência Estadual de Seguros Agropecuários ( ENESA ) e a AGROSEGURO realizaram diversos projetos de pesquisa que abordaram a relação entre dietas e volume de água necessário para produzir seus ingredientes. Um exemplo é o estudo conduzido por Alejandro Blas, Alberto Garrido e Bárbara Willaarts comparando a dieta americana com a dieta mediterrânea.

Os mesmos autores realizaram recentemente uma outra pesquisa focada em estimar a pegada hídrica (a quantidade de água necessária para produzir um bem) da dieta e do desperdício alimentar das famílias espanholas durante um ano. Além disso, eles estudaram a origem geográfica dos bens para estimar a origem da água usada para produzir tais bens e, assim, estimar a quantidade de água “importada” de outros países.

Os resultados mostraram que de outubro de 2014 a setembro de 2015 o consumo de pegada hídrica na Espanha é de 52.933 hm3, equivalente a 3.302 litros por pessoa e dia. Os produtos que representam a maior parte da pegada hídrica total são carne, peixe e gorduras animais (26%) e laticínios (21%). Da mesma forma, cerca de 41% da pegada hídrica total vinculada às dietas domésticas é estrangeira, ou seja, água virtual importada, e os principais países de origem são a Tunísia, Portugal e França.

A pegada hídrica do lixo alimentar é de 2095 hm3 na Espanha, equivalente a 131 litros por pessoa e dia.

Um pesquisador envolvido neste projeto, Alejandro Blas, diz que “embora a maior parte da população ainda adira à dieta mediterrânea, os padrões atuais de consumo espanhol estão mudando para uma dieta que contém mais carne e produtos de açúcar”. Ele conclui que “uma redução no consumo desses produtos em troca de um aumento no consumo de frutas, vegetais e leguminosas levaria a grandes economias de água”.

Os múltiplos conjuntos de dados exigidos para este estudo destacam as dificuldades de se obter estimativas de consumo e desperdício de alimentos e, portanto, como é desafiador informar as políticas que tratam do consumo sustentável de alimentos e sua relação com a gestão da água. Mais pesquisas são necessárias para desenvolver abordagens metodológicas padronizadas de maneiras que possam fornecer resultados relevantes para a política e contribuir globalmente para uma melhor formulação de políticas.

Referência:

Alejandro Blas, Alberto Garrido, Bárbara Willaarts.
Food consumption and waste in Spanish households: Water implications within and beyond national borders.
Ecological Indicators 89: 290-300. June 2018.

https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2018.01.057

Fonte: Universidad Politécnica de Madrid*

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

Publicado pelo EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/05/2018.